Expertise

Planejamento Estratégico

Planejamento de Mídia

Mídia Programática

Buscadores

Emailmarketing

Social Marketing

Sac 2.0

Inbound Marketing

Identidade Visual

Design Gráfico

Business Intelligence

Serviços de TI

Gestão de Loja

Gestão de Equipe

Plataformas

Facebook Ads e Orgânico

Instagram Ads e Orgânico

Google AdWords e SEO

Twitter Ads e Orgânico

Linkedin Ads, Orgânico e Pulse

Remarketing e Retargeting

Rede de Afiliados

Mídia em Portais

Criação de Sites e Landing Pages

Produção de Conteúdo - Copywriting

Zendesk

Scup

Hubspot

RD Station

Área Logada

Obramax

SixWine

Eniwine

Beer.com.br

Wine
99 Taxi
TexPrima LOF

Pet Delícia

Trato

Loja de Bebidas

Acostamento

© 2020 CAMINO MARKETING

 

O que é e como funcionará a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais

28 Aug 2019

 

Sancionada por Michel Temer em agosto de 2018, a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) entrará em vigor em 2020 e tem como objetivo regulamentar o tratamento de dados pessoais de clientes. 

 

Com isso, a partir da data, todas as empresas que incluírem em sua base qualquer informação dos seus clientes, por mais básicas que sejam - como nome e e-mail -, deverão seguir os procedimentos previstos na nova lei. A multa para as companhias que não cumprirem as novas exigências pode chegar até R$ 50 milhões.

 

A premissa da nova regra é a proteção de dados e  a garantia de um tratamento diferenciado de informações pessoais consideradas sensíveis. O objetivo é coibir o uso indiscriminado desses dados passados por meio de cadastros e garantir que os cidadãos estejam cientes de como serão tratadas suas informações e para qual finalidade elas serão usadas. 

 

Mas o que é o tratamento de dados, afinal?

 

Qualquer procedimento que envolva a utilização de dados pessoais, como coleta, classificação, utilização, processamento, armazenamento, compartilhamento, transferência,  eliminação, entre outros, pode ser entendido como tratamento de dados. 

 

Como vai funcionar na prática? 


Para o processo dentro da lei, serão necessárias três figuras centrais que as empresas deverão conter em seu quadro profissional: o controlador, o operador e o encarregado. O controlador vai tomar as decisões sobre o tratamento dos dados e suas orientações são colocadas em prática pelo operador. Esses dois profissionais serão os agentes de tratamento. O encarregado, por fim, fará a “ponte” entre o controlador, a pessoa dona dos dados e a agência governamental responsável pela fiscalização da lei.

 

Para que todas essas mudanças aconteçam, as empresas terão que fazer investimentos para a implementação de uma estrutura e uma política interna de compliance digital com o tratamento de dados de seus clientes. Isso valerá tanto para empresas do setor público como do setor privado.




 

Please reload

DESTAQUE

Google muda algoritmo de busca para destacar reportagens originais

1/4
Please reload

RECENTES
Please reload

CATEGORIAS